Património local

Igreja Paroquial /Matriz

O Titular é São Pelágio. Foi mudada de sitio, de fora para dentro da povoação.

Igreja Matriz

Igreja Matriz

Trata-se de um templo com torre sineira adossada à fachada principal e com esta a terminar em empena triangular.
Tem uma frontaria com porta e janela do coro de vãos rectangulares de friso e cornija, do séc. XVII e XVIII.
A torre situa-se à direita, dos dois corpos, com esquinas em linha ondulada, remate de balaustrada e cobertura bolbosa e quadrada; obra do final do séc. XVIII ou começo do seguinte.
Tectos em apainelados simples. Existem três retábulos. O retábulo-mor, de duas colunas e camarim, apresenta uma tela representando o Martírio de S. Pelágio, pintada em Coimbra por António Gonçalves em Maio de 1856. Existem esculturas de pedra: São Pelágio ou Paio, da segunda metade do séc. XV; Virgem com o Menino (da Graça) dos séc. XVI e XVII. Existe ainda Senhora do Rosário, pedra do séc. XVI; S. António de Madeira do séc. XVII e XVIII, regular. Na Capela Mor, em rodapé, encontram-se alguns azulejos sevilhanos quinhentistas, do séc. XVI, mas colocados modernamente.

O Santuário e Capela de Nossa Senhora dos Milagres

Integrada nos limites da povoação, a sua construção inspirou-se nos tipos regionais

Capela de N.ª S.ª dos Milagres

Capela de N.ª S.ª dos Milagres

setecentistas, como está bem patente no altar-mor e nos altares colaterais.
Foi começada em 1850, aumentada em 1867 e decorada em 1879. Mostra a data de 1851 na porta principal e de 1867 na sacristia.
A sua construção partiu da iniciativa do prior Dionísio Garcia Ribeiro, que alegou ser urgente a construção de um outro templo como alternativa à Igreja Matriz no caso de esta ser interdita. Recebe ainda hoje festa anual, muito concorrida, no dia 15 de Agosto. 
O altar-mor e colaterais são obra da região, imitando em certo modo os do século anterior. Esculturas correntes na época.

Capela do Cemitério

A Capela do Bom Jesus Redentor foi construída em 1909 por iniciativa de António Ribeiro Capela do Cemitériode Vasconcelos, primeiro Director da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. O silhar de azulejos azuis e amarelos que se pode ver no interior, vieram do Colégio de São Bento, de Coimbra. Foram para ali levadas diversas obras dos colégios conventuais de Coimbra. O seu projecto e acomodação foi feito segundo a direcção do professor António Augusto Gonçalves. No retábulo único está um grande crucifixo de madeira, executado por aquele mesmo professor. Nas ombreiras do cruzeiro, em mísulas, levantam-se grandes esculturas, originárias do Colégio de S. Bento mas idas da Sé Velha, S. Gregório Magno e Santo Amaro, do fim do séc. XVII, regulares.
Tem um pequeno cadeiral para os ofícios fúnebres, do séc. XVIII.
A Capela Mor é revestida de azulejos policromos, em tipo de caixilharia recruzetada encerrando florões, o corpo de azulejos azuis e rosas espalmadas.
Sob a Capela Mor ficou uma cripta, jazigo mandado construir pelo Dr. António Garcia Ribeiro de Vasconcelos. Revestem as paredes azulejos do referido tipo de caixilhos.
O retábulo de pedra com baixo relevo de Calcário, foi executado por João Machado pai; com os brasões da família e do bispo que o sagrou. No mesmo cemitério há um nicho de almas, de pilastras, datado de 1787.
É um regalo para os olhos e um mimo para o coração!»., disse dela o poeta Eugénio de Castro.

Escola Primária

Escola Primária

Centro de dia

Fonte de cima - 1883

Fonte de cima – 1883

Fonte do fundo

Fonte do fundo