Invasões Francesas, Guerra Civil e Lutas Políticas

INVASÕES FRANCESAS, GUERRA CIVIL E LUTAS POLÍTICAS

São Paio de Gramaços sofreu os efeitos da terceira Invasão Francesa nos inícios do século XIX. Durante a retirada para Espanha, os exércitos franceses de Massena, permaneceram nesta localidade e espalharam o terror e a destruição entre os seus habitantes.
Praticaram crimes contra uma população ordeira e indefesa. (in A 3.ª Invasão Francesa e as Terras de Concelho de Oliveira do Hospital, do Rev.ª padre Laurindo M. Caetano). Conta o Pe José Joaquim Garcia Abranches, então cura de S. Paio do Codeço, no seu relatório de 25 de Abril de 1811, que na retirada os soldados franceses permaneceram três dias e quatro noites durante os quais cometeram as maiores atrocidades, deixando a população na miséria. O mesmo sacerdote faz uma descrição minuciosa de todos os desacatos e crimes que passamos a sintetizar: sete mortos entre a população civil, onze feridos, sete casas incendiadas, das quais nada restou além das paredes; roubos de toda a ordem na igreja e fora dela, só tendo escapado as imagens nos seus lugares. Ainda hoje se podem ver vestígios do incêndio na Casa da Família Vasconcelos, casa onde nasceu o Prof. Dr. António Garcia Ribeiro de Vasconcelos. Nada ficou isento, nem mesmo a Igreja Paroquial, despojada de quase tudo o que tinha de valor.
A freguesia também foi palco das violentas lutas entre Liberais e Absolutistas que se seguiram à Guerra Civil de 1832-1834. Em 1840, um miguelista, António da Costa, invadiu a casa de José Lourenço da Costa Fonseca e por pouco a situação não terminou da pior forma. A nível administrativo, São Paio de Gramaços pertenceu ao concelho de Seia até 1837, data em que transitou para o de Oliveira do Hospital.