Professor Doutor António Garcia Ribeiro de Vasconcelos

1 – Síntese da sua vida e influencia académica.

2 – Artigo publicado sobre a sua pessoa enquanto 1.º Presidente da Academia Portuguesa da História (1937-1944)  na Revista Portuguesa de História nº 42 (2011). pp-265-283.

3 – Curricula Vitae (feito em 1919) -Publicado de forma sintética em 1919, no folheto designado A faculdade de letras da universidade de Coimbra ao país (tiragem de 1.500 exemplares, sendo 500 para a venda pelo custo de $40 e o produto liquido destinado à Sociedade Filantrópico Académica.)In: https://archive.org/stream/faculdadedeletra00coim/
faculdadedeletra00coim_djvu.txt

Nasceu em S. Paio de Gramaços, concelho de Oliveira do Hospital, a 1 de junho de 1860. Matriculou-se no I.o ano da Faculdade de Teologia em outubro de 1878; tendo perdido o ano por doença, abriu nova matrícula em 1879, e fez a sua formatura em junho de 1884.

O curso teológico-jurídico, de que fez parte, era excecionalmente distinto, deixando na Universidade tradições gloriosas. Muitos dos seus alunos têm ocupado e ocupam com brilho elevadas posições sociais. Dele saíram para o professorado universitário quatro doutores: António de Vasconcelos, Francisco Martins, e Porfírio da Silva para a Faculdade de Teologia; Manoel Dias da Silva para a de Direito.

Obteve durante o curso o doutor Vasconcelos o segundo prémio no l.o ano, as honras de Assistente no 2.o ano, e o primeiro prémio nos três anos restantes. Fez exame de licenciatura e recebeu o respectivo grau a 21 de fevereiro de 1885 ; teve o acto de conclusões magnas a 12 de maio de 1886, realizando-se a solenidade do doutoramento a 27 de junho seguinte ; obteve a classificação de muito bom com 18 valores.

Despachado como lente substituto a 26 de maio de 1887, tomou posse a 1 de junho, e foi promovido a catedrático a 11 do mesmo mês. Desde o dia da sua posse de substituto, regeu sucessivamente várias cadeiras, vindo por fim a fixar-se na primeira de Estudos bíblicos, (Isagoge e Arqueologia), em que se conservou até à extinção da Faculdade de Teologia.

Criada pelo Governo provisório da República uma Faculdade de Letras na Universidade de Coimbra por Decreto com força de lei de 19 de abril de 1911, nela foi colocado o doutor Vasconcelos como professor ordinário por Decreto de 17 de junho do mesmo ano.

Na sessão inaugural do Conselho da nova Faculdade, a 29 de julho, foi eleito director por um triénio, sendo esta eleição confirmada pelo Governo a 4 de novembro seguinte. Reeleito duas vezes, a 20 de julho de 1914 e a 21 de junho de 1917, tem dirigido ininterruptamente a Faculdade. Regeu desde princípio as cadeiras de Filologia portuguesa, e de História antiga ; actualmente rege História de Portugal, e os cursos de Epigrafia, Paleografia e Diplomática. Nos termos da lei foi-lhe conferido o grau de doutor em Letras (secções de Filologia românica, e de Sciéncias históricas e geográficas) a 1 de julho de 1916.

Em 1897 foi encarregado, por Despacho ministerial de 21 de maio, de organizar o Arquivo da Universidade e proceder à sua catalogação. Pelo Decreto n.o 4 de 24 de dezembro de 1901, art.os 155-160 foi o Arquivo, então já organizado, elevado à categoria de estabelecimento universitário. Pouco depois o Decreto de 6 de maio de 1902 nomeou-o seu director.

Tem-lhe sido cometidas por vários Governos algumas comissões especiais de serviço de instrução, cheias de dificuldades e de melindres. Por duas vezes foi reitor do Liceu central de Coimbra, em circunstâncias bastante difíceis , e os serviços que ali prestou, ainda não foram esquecidos.

E sócio correspondente da Academia das Sciéncias de Lisboa, da Real Academia de la História de Madrid, e de outros institutos scientíficos.

O Doutor António de Vasconcelos, além da sua variada cooperação em revistas literárias do país e do estrangeiro, tem publicado numerosas monografias, memórias e estudos, destacando as obras seguintes :

  • De divortio, quatenus sociali progressui adversatur (Dissertação para o doutoramento) – Coimbra, 1886.
  • Pluralização da linguagem (Dissertação de concurso) – Coimbra, 1887.
  • Faculdades de Teologia. – Coimbra, 1890.
  • D. Isabel de Aragão (Estudo de investigação histórica, em 2 volumes com estampas) -Coimbra, 1894.
  • Viriatho (Um capítulo da história da Lusitânia) – Coimbra, 1894.
  • Ayres de Campos (Elogio histórico de um benemérito; com um retrato) – Coimbra, 1895.
  • Francisco Suárez — Doctor eximias (Comemoração tricentenária da incorporação do grande mestre no professorado da Universidade de Coimbra, com dois retratos e numerosos fac-similes). – Coimbra, 1897.
  • Gramática portuguesa – Paris, 1899.
  • Gramática histórica da língua portuguesa – Paris, 1900.
  • Universidade de Coimbra. — Alguns documentos do Arquivo – Coimbra, 1901.
  • Notas e dados estatísticos para a história da Universidade de Coimbra – Coimbra, 1901.
  • Real Capela da Universidade (Apontamentos e notas para a sua história; 1 vol. com estampas) – Coimbra, 1908.
  • Nota chronològico-bibliográfica das Constituições diocesanas portuguesas (com 2 estampas) – Coimbra, 1911.
  • Faculdades de Letras (Lição inaugural na abertura solene da Universidade de Coimbra) – Coimbra, 1912.
  • Um documento precioso (Notícia e descrição do diploma original de fundação da Universidade portuguesa em 1290; com estampas) – Coimbra, 1912.
  • Estabelecimento primitivo da Universidade em Coimbra (com estampas) – Coimbra, 1912.
  • D. Jorge de Almeida (Alguns apontamentos para a sua biografia; com estampas) – Coimbra, 1916.
  • Reinos cristãos da península hispânica (Tabela cronológica) – Coimbra, 1917.
  • Origem e evolução do foro académico privativo da antiga Universidade portuguesa – Coimbra, 1917.
  • Brás Garcia de Mascarenhas ( Estudo de investigação histórica, em 2 volumes, com estampas) – Coimbra, no prelo.